O governo de Jair Bolsonaro (PSL-RJ), a começar no próximo dia primeiro de janeiro, herdará de seu antecessor, Michel Temer (MDB-SP), um déficit público astronômico. Segundo o Tesouro Nacional, a dívida bruta brasileira, em valores nominais, atingiu ao final do último mês de setembro R$ 5,22 trilhões – um valor R$ 37,4 bilhões a mais do que o verificado no mês anterior, o que corresponde a 77,3% do nosso Produto Interno Bruto (PIB). A dívida bruta é a soma das dívidas do governo federal, estados e municípios.

A meta do governo central para este ano é de encerramento com um déficit de R$ 161,3 bilhões. O principal problema para o agravamento da situação econômica e financeira dos entes federados é a previdência social. Por isto, as principais agências de classificação de risco têm apontado que será muito difícil ao Brasil reverter a situação atual sem realizar as reformas necessárias. Se isto ocorrer dentro dos próximos cinco anos, o país poderá alcançar, de novo, o grau de investimento. Vale lembrar que em dezembro de 2013, quando o Brasil atingiu esse status, a dívida bruta correspondia a apenas 51,5% do PIB.

Outra causa do aumento da dívida pública é a chamada “nova matriz econômica”, praticada durante a gestão do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega (PT-SP). Tal política vigorou até o início do segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff (PT-MG), quando o Brasil entrou em sua mais profunda recessão, gerando mais de 13 milhões de desempregados. A crise só não se tornou ainda mais grave pela ascensão de Michel Temer à presidência da República, que nomeou uma nova equipe econômica com elevada competência. Foi quando o país estancou o desemprego e controlou a inflação.

Entretanto, devido aos lobbies dos funcionários públicos e militares, bem como aos interesses próprios dos senhores deputados e senadores, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Previdência não conseguiu ir além da comissão que estudava essa medida, pela falta de consenso e vontade dos parlamentares. Nos setores públicos ninguém que perder as aposentadorias vultosas e os privilégios, pagos com os esforços de todos os brasileiros na forma de impostos.

A estimativa do déficit da previdência para o próximo ano é da ordem de R$ 308,0 bilhões, distribuídos da seguinte forma: R$ 218,0 bilhões em aposentadorias do setor privado; R$ 44,3 bilhões em aposentadorias dos servidores públicos; 43,3 bilhões em pensões e aposentadorias dos militares inativos e 2,4 bilhões do Fundo Constitucional do Distrito Federal. Desta forma, o déficit da previdência, em 2019, só será superado pela conta de juros, relativa à rolagem de nossas dívidas interna e externa. Comparativamente, gastaremos três vezes mais recursos em aposentarias do que gastamos com educação, saúde e segurança pública, em conjunto.

Para que o Brasil estanque essa conta e possa voltar a crescer nos níveis necessários é preciso que a reforma da previdência seja colocada em pauta já no início do mandado do presidente Jair Bolsonaro. Caso contrário o país continuará patinando, com baixos índices de desenvolvimento social e econômico. Espera-se, desta forma, que o novo parlamento tenha altivez e não continue a sucumbir diante das pressões de diversas castas de privilegiados. Afinal o Brasil é muito mais importante.

Deixe uma resposta